Arquivo do Autor: Abruem

Reitores fazem visita técnica ao Instituto Federal de Tecnologia de Zurique

Participaram da reunião Aldo Bona (Unicentro) e Regys Freitas (UERR)

O presidente da Abruem (Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais, reitor Aldo Nelson Bona (Unicentro – Universidade Estadual do Centro-Oeste) e o reitor Regys Freitas (UERR – Universidade Estadual de Roraima) estiveram, na última segunda-feira (09), no Instituto Federal de Tecnologia de Zurique (ETHZ), na Suíça.

A assistente do Programa Suiço-Europeu entre aos reitores Regys e Aldo

Na ocasião, eles visitaram o campus e o Escritório de Relações Internacionais.O objetivo de ambos foi apresentar a Abruem e demonstrar o interesse das afiliadas em parcerias, projetos conjuntos e mobilidade. Os reitores foram recebidos pela supervisora administrativa do Programa Suíço-Europeu Andrea Rothenbühler, que demostrou interesse na participação de estudantes brasileiros no processo de intercâmbio de estudantes.

Fundada em 1854, a ETHZ é considerada a oitava melhor universidade do mundo e a primeira da Europa continental. 21 estudantes e professores da ETHSm ao longo dos anos, foram laureados com o Prêmio Nobel, sendo mais famoso deles Albert Einstein.

Missão Internacional Hungria 2018: 06 de julho

Elte University foi a última instituição visitada pela comitiva brasileira

No último dia de visitas técnicas à universidades húngaras, os membros da comitiva da Abruem (Associação Brasileira das Universidades Estaduais e Municipais) estiveram na Elte University. Na Instituição, participaram de uma conferência sobre internacionalização da Educação Superior. Mais uma vez, assim como em outras universidades visitadas, foi ressaltado que o governo húngaro mantém um programa de bolsas de estudo exclusivo para estudantes brasileiros, o Stipendium Hungaricum, que beneficia 250 alunos por ano, sendo que 100 benefícios são destinados a graduando, 120 para mestrandos e 30 para doutorandos.

Para a Elte University um fator que dificulta o processo de internacionalização das universidades – tanto na atração de estudantes e pesquisadores, quanto do envio – é o não domínio da língua inglesa, o que impede, por exemplo, os processos de mobilidade. A palestra ressaltou, ainda, a importância do estabelecimento de um pacto de dedicação entre investigadores, professores e gestores, que seria decisivo para avançar o processo de internacionalização.

O diretor de Relações Internacionais da Unesp (Universidade Estadual Paulista), José Celso Freire Júnior, que apresentou a Abruem, destacou a importância que as instituições afiliadas vem dando à internacionalização e, também, ressaltou o papel fundamental da mobilidade de professores e estudantes neste processo. Para estimular as parcerias entre as instituições brasileiras e hunguras, José Celso esmiuçou o funcionamento do sistema de educação superior no Brasil, diferenciando por exemplo os sistemas público e privado. Também falou sobre das similaridades entre as áreas prioritárias de pesquisa no Brasil e na Hungria.

Em seguida, o secretário geral da Conferência de Reitores da Hungria fez uma apresentação sobre as fases da cooperação entre Brasil e Hungria, que iniciou em 1992, após o processo de democratização do país. Por fim, os reitores foram levados ao Centro de Estudos Brasileiros e o Centro de Estudos Portugueses, mantidos pela Elte University e que trabalham com a difusão da língua portuguesa e da literatura dos dois países.

Vale ressaltar que a Elte mantém uma parceria com a Universidade Estadual do Ceará (Uece) e concedeu o título de doutor Honoris Causa ao reitor da Instituição cearense, professor Jackson Sampaio.

Unitau empossa nova reitora e pró-reitores

Cerimônia foi realizada no dia três de julho

A professora Nara é a nova reitora da Unitas

No último dia 3 de julho, foi realizada a cerimônia de posse da professora Nara Lucia Perondi Fortes como a nova Reitora da Universidade de Taubaté (Unitau). Também tomou o professor Jean Soldi Esteves como vice-reitor da Instituicão. A cerimônia foi realizada no Auditório do Departamento de Engenharia Civil e contou com a participação de diversas autoridades, professores, alunos e funcionários da Universidade.

Em seu primeiro discurso como reitora, a professora Nara ressaltou os principais pontos que deverão marcar a nova gestão: “Criatividade, liderança e trabalho. Essas palavras não foram escolhidas por acaso. Juntas, expressam as qualidades que considero diferenciais para a Universidade”, declarou.

O prefeito de Taubaté, José Bernardo Ortiz Júnior, esteve presente na solenidade. “A Prefeitura seguiu a tradição, implementada nos três últimos mandatos, de empossar a mais votada, no caso a professora Nara. Foi uma decisão acertada”, afirma o prefeito.

Equipe de pró-reitores também foi empossada

No mesmo dia, foi nomeada a equipe de pró-reitores, que foi escolhida a partir de critérios técnicos. O vice-reitor Jean Esteves ficará à frente da Pró-reitoria de Administração. Os professroes Francisco José Grandinetti, Angela Popovic Berbare, Leticia Maria P. da Costa e Sheila Cavalca Cortelli assumem, respectivamente a Pró-reitoria de Economia e Finanças, a Pró-Reitoria de Graduação e também a Pró-reitoria Estudantil, a Pró-reitoria de Extensão, a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação.

        

* Com informações da ACOM/UNITAU

Missão Internacional Hungria 2018: 04 e 05 de julho

Reitores visitam últimas universidades em busca de parceria

No dia quatro de julho, os integrantes da missão da Abruem (Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais) estiveram na cidade de Eger, onde foram recebidos na Eszterházy Károly University. A visita técnica teve início com um tour pelo prédio histórico, incluindo a biblioteca do século XVIIIO prédio, toda sua estrutura de madeira e os livros são originais, incluindo obras raras publicadas a partir do ano de 1034. O passeio incluiu uma visita à torre do prédio, onde fica um observatório astronômico, com equipamentos do século XVII. Na sequência, foram levados ao dark room, de onde se pode ver a cidade toda com equipamentos antigos, do século XVIII< criados a partir de espelhos que refletem como se fossem câmaras filmadoras.

Na recepção, o reitor da Eszterházy Károly University ressaltou sua admiração pelo Brasil e que a distância entre os dois países, em sua perspectiva, é apenas geográfica. Para exemplificar, citou que receberam, nos últimos anos, estudantes brasileiros pelo Stipendium Hungaricum. Um estudante brasileiro que está em mobilidade na Universidade foi convidado a falar de sua experiência.

Quinta-feira, 05 de julho

Já no penúltimo dia de missão, a comitiva esteve na Nyíregyházi University, fundada em 1914 como instituto real de formação de professores e, em 1959 iniciou o teaching training. Atualmente, tem 4.000 alunos e 12 institutos, ofertando cursos nas áreas de Ciências Agrícolas, Humanidades, Economia, Tecnologia e Inovação, Engenharias e Artes.

Missão Hungria 2018: dias 02 e 03 de julho

Semana começa em Budapeste e tem sequência em Miskolc

A segunda semana da comitiva da Abruem (Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais) começou com os integrantes se dividindo entre duas instituições húngaras. Parte esteve na Universidade de Saúde e a outra na Universidade de Medicina Veterinária, ambas em Budapeste, de acordo com as áreas de interesse e/ou prioritárias para suas respectivas universidades do ponto-de-vista da internacionalização.

A Universidade de Medicina Veterinária foi criada em 2016, a partir da desvinculação da Universidade de Santo Estevão. As ações de internacionalização remontam ao final da década de 1980, quando a partir der 1989 passam a oferecer cursos em alemão. Poucos anos depois, em 1992, as disciplinas ganham a oferta também em inglês.

A Instituição tem 1.600 estudantes, sendo que 1.000 são estrangeiros – a maioria vindos da Alemanha, já que o país conta com apenas quatro escolas de Medicina Veterinária. A estrutura curricular do curso segue as diretivas da União Europeia, contemplando animais de fazenda, de companhia, exóticos, sanidade animal, saúde pública animal, e administração veterinária.

Terça-feira, 03 de julho

A terça-feira foi dedicada à visita técnica à Universidade de Miskolc, distante 180 quilômetros de Budapeste. Os brasileiros foram recebidos e acompanhados, ao longo do dia, pelo reitor e pelo diretor de Relações Internacionais da Instituição, respectivamente, András Torma e Péter Kékesi, além dos diretores de faculdades.

Kékesi apresentou a região e a Universidade, destacando aspectos e curiosidades locais. Ele mostrou fotos e reportagens de época que afirmam que esta é a primeira escola técnica da Europa. Em termos de internacionalização, a Universidade de Miskolc passou a oferecer cursos em inglês recentemente. Hoje, recebe estudantes provenientes de 36 países.

A Instituição tem como característica o estabelecimento de cooperação com as indústrias instaladas na região, como a Bosch, que tem estruturas instadas dentro da Universidade. Essas aprcerias favorecem o alto índice de empregabilidade dos egressos da instituição.

A Universidade de Miskolc é formanda por seis faculdades – Ciências da Terra e Engenharias; Engenharia e Ciências Naturais; Engenharia Mecânica e Informática; de Direito; de Economia; de Artes; e de Saúde.

Missão Hungria 2018: atividades 27, 28 e 29 de junho

Visitas técnicas foram realizadas em Budapeste, Dunaújváros, Szged e Sopron

As atividades da manhã da última quarta-feira, 27 de junho, dos reitores e demais membros da comitiva da Abruem (Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais) que está na Hungria, participando da Missão de Internacionalização 2018 da entidade, foram realizadas na cidade de Duanaújváros, na instituição de ensino superior de mesmo nome. Lá, a recepção e acolhida foram feitas pelo reitor da University of Dunaújváros, István András. Em sua fala, ele lembrou que 69 universitários brasileiros, bolsistas do Programa Ciências Sem Fronteiras, fizeram mobilidade na instituição e que, atualmente, recebe outros alunos do país, vai Erasmus +.

Na sequência, a vice-reitora de Relações Internacionais apresentou a Universidade, que fica localizada na região central da Hungria, em torno do Danúbio, numa pequena cidade, porém fortemente industrializada. Ela contou que a Instituição tem 18 mil alunos e seu foco é a graduação, sendo que os estudantes têm forte inserção na indústria local, onde realizam os estágios. A University of Dunaújváros possui acordos de relações internacionais com 52 países e tem interesse em expandir seu relacionamento com o Brasil. No momento, conta com 200 estudantes internacionais procedentes de 26 países. Para sua política de internacionalização são disponibilizados, anualmente, 140 mil euros.

A Instituição ainda tem como características a oferta de cursos de graduação e, também, de curta duração na modalidade de Educação a Distância, e quase todos eles são ofertados em inglês. Além disso, a Universidade cursos de verão, principalmente voltados para para estudo de línguas estrangeiras.

A visita técnica do período da tarde, ocorreu na Budapeste Business School/University of Applied Sciences, uma instituição pública tradicional, cuja faculdade de Comércio teve início em 1857. Atualmente, são quatro faculdade, 11 cursos de graduação, oito programas de mestrado, um de doutorado e 16 mil estudantes. Como vários de seus cursos são ofertados totalmente em inglês e/ou em alemão, é considerada a escola de negócios mais internacionalizada da Europa. Tem mais de 40 universidades parceiras, nos cinco continentes.

A Instituição prima por uma formação que motive e incentive o empreendedorismo, já que acredita no fim do emprego tradicional. Assim, trabalhar para alterar a visão predominante dos estudantes que, na maioria, pensa em ingressar em uma grande empresa e na formação dessa mentalidade também entre os professores são considerados seus maiores desafios.

Quinta-feira, 28 de junho

A agenda de visitas também começou fora de Budapeste, na University of Szged, localizada na cidade de mesmo nome. A instituição tem 23 mil estudantes e como meta atingir o percentual de 20%, entre os matriculados, de estrangeiros até o ano de 2020. Proporcionalmente, é a cidade mais universitária da Hungria, já que dos 120 mil habitantes, aproximadamente, 30 mil são membros da comunidade acadêmica (estudantes, professores e pesquisadores). A University of Szged é centro de excelência em várias áreas, com destaque para medicina molecular.

A Instituição, fundada em 1581, é formada por 12 faculdades e 52 cursos nas áreas de Humanidades, Artes, Letras, Agronomia, Engenharia, Odontologia, Ciências Sociais Aplicadas, Farmácia, Saúde e Ciências da Informática. Todas as faculdades estão internacionalizadas e oferecem cursos em inglês e em outros idiomas. No total, são 3.550 estudantes estrangeiros, a maioria romenos e alemães.

Sexta-feira, 29 de junho

As atividade de sexta-feira concentraram-se na Sopron University. A cidade de Sopron fica a 210 quilômetros de Budapeste e a 60 de Viena, e tem aproximadamente 65 mil habitantes. São quatro faculdades: Pedagogia, Engenharia Florestal, de Ciências da Madeira e Economia – todas com ofertas de disciplinas em inglês. Os dirigentes da Instituição reforçaram o interesse em parcerias, que possibilitem a dupla diplomação, tanto na graduação quanto na pós graduação.

Missão Hungria 2018: atividades dias 25 e 26 de junho

Três universidades com diferentes perfis foram visitadas pela comitiva da Abruem

A Abruem (Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais) ano a ano promove uma missão a universidades de outros países com vistas a promover a internacionalização das suas 45 instituições de ensino superior estaduais e municipais afiliadas. Em 2018, o destino é a Hungria, onde entre os dias 25 de junho e seis de julho serão serão realizadas visitas técnicas a 15 universidades e centros de pesquisa. A comitiva da Abruem é composta por 21 membros, sendo 12 reitores, três vice-reitores, cinco pró-reitores e assessores de Relações Internacionais e, ainda, o secretário-executivo da Associação.

No primeiro dia em território húngaro, o programa possibilitou a aproximação visando parcerias com três IES. Pela manhã, foi visitada a Szent István University, localizada na cidade de Godölo, e especializada em energias renováveis e agricultura. Já no período da tarde, a comitiva sesteve na Károli Gáspár University, forte na área de humanidades e com um grupo de pesquisa em estudos sobre a América Latina.

A terça-feira, 26, foi dedicada a reuniões e visitas técnicas na Universidade de Tecnologia e Economia de Budapeste. Pela manhã, os membros da comitiva da Abruem foram recepcionados pelo reitor János Józsa, que reforçou o interesse institucional em cooperar científicamente com o Brasil e a admiração pelos estudantes brasileiros. A Universidade, de 236 anos, foi apresentada pela vice-reitora Krisztina Lászió, que detalhou a estrutura da Instituição, que conta com 70 departamentos, oito faculdades, 23 mil estudantes, sendo 1500 provenientes de outros países. Segundo Krisztina Lászió, a Universidade de Tecnologia e Economia considera como áreas prioritárias para o desenvolvimento de pesquisas conjuntas a inteligência artificial e as cidades inteligentes, nanotecnologia, nonociências, biotecnologia, proteção ambiental e saúde.

Durante a apresentação da Universidade também foi destacado seu histórico de cooperação com instituições brasileiras. A Hungria foi o décimo destino mais procurado por alunos beneficiados com bolsas pelo programa Ciência Sem Fronteiras, recebendo mais de 2 mil estudantes brasileiros. E a Universidade de Tecnologia e Economia foi a mais procurada, no país, por esses alunos, a maioria de Minas Gerais e São Paulo. Ressaltou-se que, nesse momento, o programa Erasmus Mundus é o caminho para o fortalecimento da cooperação com o Brasil.

A Abruem foi apresentada pelo presidente da Associação. Além disso, os representantes das 14 universidades associadas integrantes das Comitiva também puderam apresentar suas universidades.

Já durante a tarde, os integrantes da comitiva da Abruem dirigiram-se à Universidade Centro Europeia. Altamente internacionalizada, a instituição conta com professores de 51 países e mais de 1.500 mestrandos e doutorandos oriundos de 117 países que estão, nesse momento, matriculados na Instituição.

Em defesa da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Nota da Abruem rechaça acusações feitas à administração da Universidade pelo Governo do Estado

A Associação Brasileira das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem), entidade que congrega 45 instituições de ensino superior presentes em 22 Estados da Federação e que responde por mais de 40% da oferta de vagas públicas do país, refuta com veemência a nota publicada pelo Secretário de Comunicação Institucional do Governo da Paraíba, senhor Luís Torres, em que acusa o reitor da UEPB de práticas nazistas.

Como qualificar a prática de descumprir leis aniquilando com a educação superior de forma sorrateira, atribuindo a responsabilidade à gestão da Universidade? Leis devem ser cumpridas e a lei de autonomia da UEPB vem sendo ignorada reiteradamente pelo Governo do Estado da Paraíba. Como fazer gestão da Universidade se o que é pactuado não é cumprido? Antes de questionar a gestão da UEPB o Governo paraibano deveria auto-avaliar-se. Assumir compromissos com servidores públicos para fazer média eleitoral e depois não assegurar o repasse de recursos para que a gestão da Universidade honre os compromissos assumidos pelo Governo e, como se não bastasse, acusar a reitoria da prática de terrorismo eleitoral é atribuir a outrem a responsabilidade que recai sobre si mesmo. Ao adiar o início das aulas para as turmas 2018/1 a UEPB está fazendo gestão institucional para adequar-se aos cortes de recursos impostos pelo Governo e não terrorismo político. O excelentíssimo senhor secretário em questão acusa o reitor por ele estar tomando medidas de contenção de despesas e, ao mesmo tempo, denuncia a falta de gestão institucional num cenário de crise. Contradição absurda!!! Que tipo de gestão está fazendo o Estado?

A Abruem presta sua solidariedade ao reitor Rangel e à gestão da UEPB e conclama a sociedade paraibana a defender seu grande patrimônio que é a Universidade Estadual da Paraíba. Não podemos tolerar a destruição da educação pública, nem a prática da violência moral com o uso de calúnias por parte do Governo para mascarar os próprios erros.

Brasília, 26 de junho de 2018.

Aldo Nelson Bona

presidente Abruem

Parlamento do Mercosul aprova declaração em que reafirma a defesa da Educação

Proposta foi apresentada por senadora brasileira

O Parlamento do Mercosul (Parlasur), em sua 55. Assembleia Ordinária, aprovou uma declaração relacionada ao reconhecimento da autonomia universitária e da liberdade de ensino. A proposta, de autoria da senadora brasileira Fátima Bezerra, advogava sobre o valor básico da liberdade de ensino e, assim, defendia a autonomia didático-científica das universidades.

O texto, que foi aprovado pela Plenária, expressa apoio irrestrito por parte do Parlamento do Mercosul aos dirigentes, professores, estudantes e demais atores envolvidos na mobilização em defesa das instituições de ensino superior públicas. A declaração ainda reafirma o compromisso do Parlasur com a defesa da Educação como elemento chave de seu trabalho.

Clique aqui para ler a íntegra da Declaração 13/2018 – “Convicção de que a liberdade de cátedra e a autonomia didático-científica das universidades são princípios basilares dos estados democráticos”.

Abruem e Languages Canada firmam acordo de cooperação

Termo prevê a promoção do aprendizado de inglês, francês e português como línguas estrangeiras

A Abruem (Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais) e a Languages/Langues Canadá firmaram, nesse mês de junho, um Acordo de Cooperação com vistas a promoção do aprendizado de inglês, francês e português como línguas estrangeiras. O documento, assinado pelo presidente da Abruem e pelo diretor executivo da Languages Canada – respectivamente, reitor Aldo Nelson Bona (Unicentro – Universidade Estadual do Centro-Oeste) e Gonzalo Peralta – define como áreas prioritárias o desenvolvimento de programas educacionais, projetos e iniciativas conjuntas que aumentem a proficiência em inglês e francês de professores, servidores e alunos das instituições de ensino superior filiadas à Abruem e do português como língua estrangeira para os membros das comunidades universitárias canadenses.

“A intenção da Abruem ao buscar a parceria com a Languages Canada foi ampliar a possibilidade de internacionalização das universidades associadas. Assim, o acordo firmado busca, por exemplo, além da promoção do ensino-aprendizado de dois dos idiomas mais falados no mundo – o inglês e o francês –, o desenvolvimento de programas de soluções em tecnologia da educação que possibilitem o ensino de idiomas a distância e, também, o fomento de mobilidade educacional e cultural para nossos estudantes, docentes e técnicos”, explica Aldo Bona.

Para ler a íntegra do Acordo de Cooperacão, clique aqui.