Arquivo da categoria: Fóruns

Apresentações do 61. Fórum Nacional de Reitores

Atividades foram realizadas entre os dias 22 e 24 de novembro, na UERR

Câmara EaD – A institucionalização da EaD para a promoção da mobilidade e da inclusão no Ensino Superior

Câmara de Extensão – Ações 2017

Câmara de Extensão – Desafios do empreendedorismo para a política de extensão das IES estaduais

Câmara de Extensão – Manual de Curricularização

Câmara de Gestão, Governança e Legislação – Autonomia universitária e financiamento público

Câmara de Graduação – Ações 2017 e desafios 2018

Câmara de Internacionalização e Mobilidade – Ações CT

Câmara de Internacionalização e Mobilidade – Diagnóstico Internacionalização

Câmara de Internacionalização e Mobilidade – Programa de Mobilidade Nacional Abruem

Câmara de Pós-Graduação – Estratégias para o fortalecimento da Pesquisa e da Pós-Graduação

Câmara de Saúde – Pesquisa Indicadores dos Hospitais Universitários

Câmara de Saúde – Relato HU UEL

Câmara de Saúde – Residências em Saúde

Palestra Feliciano Azuaga – Os novos desafios de um mundo em transformação

Reunião Conselho Pleno – Apresentação Conferência Regional de Educação Superior (Cres)

62. Fórum Nacional de Reitores da Abruem – Proposta

Imprensa de Boa Vista destaca importância das universidades públicas

Debates são motivados pela realização, pela UERR, do 61. Fórum Nacional de Reitores da Abruem

O papel social desempenhado pelas universidades públicas estaduais e municipais junto as comunidades dos 22 estados brasileiros que contam com instituições de ensino superior do sistema foi tem sido destacado, ao longo dessa semana, pelos veículos de imprensa da capital de Roraima Boa Vista.

A cobertura tem sido motivada pela realização pela UERR (Universidade Estadual de Roraima) do 61. Fórum Nacional de Reitores da Abruem. Ao longo dessa semana, o presidente da Associação, reitor Aldo Nelson Bona (Unicentro – Universidade Estadual do Centro-Oeste) e o reitor da UERR, Regys Freitas, concederam entrevistas para emissoras de rádio e TV locais e também para jornais da cidade. Clique nos links e confira algumas das matérias. Abaixo, uma galeria de fotos de algumas das entrevistas concedidas.

 

61. Fórum Nacional de Reitores tem início em Boa Vista

Universidade Estadual de Roraima é a anfitriã do encontro

A solenidade de abertura do 61. Fórum Nacional de Reitores da Abruem (Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais) foi realizada na última quarta-feira (22), no Salão Nobre do Palácio Senador Hélio Campos, em Boa Vista, capital do estado de Roraima.

Presidente Aldo Nelson Bona chamou a atenção para a importância de se reconfigurar o relacionamentos universidades-comunidades (Foto: UERR)

Ao abrir os trabalhos do encontro e dar as boas-vindas aos participantes, o presidente da entidade, reitor Aldo Nelson Bona (Unicentro – Universidade Estadual do Centro-Oeste), ressaltou que “Boa Vista e a Universidade Estadual de Roraima passam a ser, nesses próximos dias, a sede da Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais, entidade que congrega 45 instituições. Juntas, nós representamos, aproximadamente, 45% de toda a oferta de ensino superior público no Brasil e respondemos por, em média, 42% de toda a ciência que se produz nesse país”.

Boa observou, ainda, que as universidades associadas encontram-se em diferentes estágios de desenvolvimento, mas que, apesar de todas as suas diferenças e assimetrias, se assemelham em uma aspecto: todas estão passando, em maior ou menor grau, por dificuldades de gestão, sobretudo no que diz respeito ao financiamento. “O contexto nacional de crise”, afirmou, “tem propiciado que governos, em diferentes intensidades, contingenciem recursos nos orçamentos de nossas instituições. Pior do que isso, o cenário atual tem permitido que alguns segmentos de alguns governos questionem o tamanho de nossas instituições, a pertinência de serem mantidas com recursos públicos e os resultados que têm apresentado.”.

Para Aldo, o mais terrível é que, no contexto desses discursos, surjam manifestações e pareceres encomendados de organismos internacionais, que sugerem ao país a revisão da gratuidade do ensino público, medindo o custo do serviço prestado com a régua do custo do ensino privado, em que a educação é tratada não como um bem social, mas como uma mercadoria, um produto no mercado.

Debater o empreendedorismo na gestão universitária foi uma sugestão do reitor-anfitrião do 61. Fórum (Foto: UERR)

É nesse cenário que o tema desse Fórum – “O empreendedorismo na gestão universitária: desafios, soluções e inovação na contemporaneidade”, sugerido pelo reitor Regys Freitas, da UERR (Universidade Estadual de Roraima), anfitriã doencontro – mostra-se muito pertinente. Afinal, permitirá “contribuir na busca de alternativas de financiamento para as universidades estaduais e municipais em uma conjuntura de escassez de recursos em todas as esferas de poder”, disse Regys.

A hora, reiterou Bona, é de resistir, para fazer frente ao desmanche privatista. “Não temos como exercitar resistência sem revisar nossos modos de gestão, sem empreender e inovar nas formas de relação com o Poder Público mas, sobretudo, nas formas de relação com a sociedade. Nós nos consideramos patrimônio do povo dos estados e municípios a que pertencemos, sem nos questionarmos profundamente sobre até que ponto a nossa comunidade assim nos considera; até que ponto estão dispostos a nos defender como intocáveis redutos de soberania local?”, disse, incitando a reflexão.

Participaram da abertura reitores e gestores das universidades (Foto: UERR)

Durante a abertura, também foi ressaltado que as universidades públicas produzem mais de 95% de toda a ciência brasileira, sendo somos responsáveis pelo mínimo de soberania que este país tem em algumas áreas, encontrando, por exemplo, respostas e tratamentos para problemas de saúde tropicais, inovando em processos industriais, promovendo avanços sem os quais o país estaria ainda mais dependente.

Entendo que só iremos reafirmar nosso valor e contar com o apoio da população, se nos reinventarmos na relação com a sociedade. Se não mudarmos esse quadro, não resistiremos sozinhos!”, finalizou o presidente da Abruem.

* com informações da assessoria de imprensa do UERR

61. Fórum Nacional de Reitores divulga logo e programação preliminar

Encontro tem a Universidade Estadual de Roraima como anfitriã

A Abruem (Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais) e a UERR (Universidade Estadual de Roraima) divulgaram, essa semana, a marca do 61. Fórum Nacional de Reitores, que será sediado pela instituição no mês de novembro, entre os dias 22 e 25, na capital Boa Vista. A imagem tem entre seus principais elementos o mapa do Brasil, em cada cada estado é representado pela sua bandeira, e por um homem que tem em sua mão um lâmpada brilhando, representando a inteligência humano para superar as adversidades com criatividade. Ideia que tem ligação com o tema central proposto para o encontro de reitores da Associação para esse segundo semestre: “O empreendedorismo na gestão universitária: desafios, soluções e inovação na contemporaneidade”.

Temática que, segundo o reitor da UERR, professor Regys Odlare Lima de Freitas, foi pensada tendo em vista os desafios impostos aos gestores das instituições de ensino superior brasileiras na atualidade. “O tema veio como uma maneira de tentar contribuir com as universidades e com seus gestores. Tendo em vista não apenas à mentalidade empreendedora, mas, sobretudo, como e onde buscar alternativas de financiamento na atual conjuntura em que os fomentos do governo federal ou dos governos estaduais para as universidades estaduais e municipais estão muito escassos”, detalha.

Além da marca, os organizadores também divulgaram a programação preliminar do 61. Fórum Nacional de Reitores. Como sempre nos encontros do segundo semestre, o destaque é a explanação das Câmaras Técnicas (CTs) sobre o trabalho realizado ao longo do último ano. Em 2017, serão sete CTs: Graduação; Pós-Graduação; EaD/UAB; Internacionalização e Mobilidade; Saúde e Hospitais de Ensino; Extensão; e a recém-criada Gestão, Governança e Legislação.

Além da apresentação das Câmaras, o 61. Fórum contará com duas palestras – uma marcando o início e outra o fim dos trabalhos. A conferência de abertura terá como tema “O desafio da gestão empreendedora nas Universidades Públicas” e será ministrada por Claudio Forner, que, segundo o organizador local e pró-reitor de Extensão da UERR, André Russo, vai abordar “todas as possibilidades que as universidade, hoje, podem ter acesso ou podem iniciar com o intuito de aproveitar possíveis parcerias com a iniciativa privada, para que os projetos de ensino, pesquisa e extensão não se cessem”.

Já o encerramento do 61. Fórum terá a participação da coordenadora-geral do RUF (Ranking Universitário Folha), Sabine Righetti. A palestra – intitulada “Avaliação do Ensino Superior no país: a proposta do RUF – Ranking Universitário Folha” – “vai contribuir, principalmente, no sentido demonstrar como a temática do empreendedorismo pode contribuir para elevar os níveis de ranqueamento das universidades públicas no Brasil”, salientou André Russo.

Serviço

As inscrições para o 61. Fórum Nacional de Reitores devem ser feitas até o dia primeiro de novembro. Para isso, os participantes devem preencher a ficha de inscrição e enviar para o e-mail da secretaria da Abruem.

Embora as inscrições sigam por mais tempo, o Boa Vista Eco Hotel, que sediará o evento, manterá o bloqueio dos quartos apenas até o dia 11 de outubro. As reservas e pagamento das diárias (R$ 288,20, quanto indiviual; R$ 380,60, quarto duplo; e R$ 481,80, para apartamentos triplos) devem ser feitas feitas diretamente com o hotel.

Intensificada preparação para o 61. Fórum Nacional de Reitores da Abruem

Evento do segundo semestre de 2017 será sediado pela Universidade Estadual de Roraima

O 61. Fórum Nacional de Reitores da Abruem (Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais) já tem data, local e tema central definidos. Sediado pela Universidade Estadual de Roraima (UERR), ele será realizado entre os dias 22 e 25 de novembro, na cidade de Boa Vista, e terá como tema “O empreendedorismo na gestão universitária: desafios, soluções e inovação na contemporaneidade”.

Faltando três meses para sua realização, UERR, diretoria executiva da Abruem e Câmaras Técnicas (CTs) intensificam os preparativos para o Fórum do segundo semestre desse ano que, além dos reitores das 15 instituições de ensino superior afiliadas à Associação, também os membros das sete CTs (Graduação, Pós-Graduação, EaD/UAB, Internacionalização e Mobilidade, Saúde e Hospitais de Ensino, Extensão, e Gestão, Governança e Legislação.

A programação, que está em fase de elaboração, já tem algumas definições. A Cerimônia de Abertura, por exemplo, será realizada no dia 22 de novembro, a partir das 20h. Já as palestras e apresentações das Câmaras técnicas estão previstas para os dias 23 e 24 de novembro, entre 9h e 18h. Já o dia 25 será destinado a realização de uma atividade cultural.

Inscrições, traslados e hospedagem

As inscrições para o 61. Fórum podem ser efetivadas até o dia primeiro de novembro. Para isso, basta enviar a Ficha de Inscrição preenchida para a secretaria da Abruem (abruem@abruem.org.br ou abruem@gmail.com). Recomenda-se que nela já estejam detalhados os dados referentes aos voos de ida e volta para a organização do receptivo no Aeroporto Internacional de Boa Vista.

As atividades do Fórum, em sua maioria, ocorrerão nas dependência do hotel oficial do evento, que foi definido conjuntamente pela secretaria executiva da Abruem e os responsáveis pela organização local da UERR. Desse modo, a edição tem como sede o Boa Vista Eco Hotel, localizado na avenida Glaycon de Paiva, 1240, no bairro Mecejana. Para o encontro, a Abruem solicitou junto ao hotel o bloqueio de apartamentos até o dia 11 de outubro. As reservas e os valores acordados só serão garantidos até essa data. As diárias, incluindo café da manhã e almoço, sairão por R$ 288,20, R$ 380,60 ou R$ 481,80 para, respectivamente, apartamento individual, duplo ou triplo. As reservas, sempre indentificando-se como participante do 61. Fórum Nacional de Reitores da Abruem, podem ser feitas pelo telefone (95) 3621-7100 ou pelo e-mail reservas@boavistaecohotel.com.

CT de Internacionalização e Mobilidade

Em preparação ao 61. Fórum Nacional de Reitores da Abruem, a Câmara Técnica de Internacionalização e Mobilidade, sob a presidência do reitor Haroldo Reimer (UEG – Universidade Estadual de Goiás), elaborou um questionário, que deve ser respondido pelo responsável pelo setor de Relações Internacionais da instituição de ensino superior. As respostas ao formulário auxiliarão os membros da CT na definição de ações estratégicas, visando contribuir para uma melhor formação e gerenciamento da gestão internacional universitária.

Os dados são necessários”, lembra Reimer, “para que a Câmara de Internacionalização e Mobilidade da Abruem possa delinear como apoiar as nossas universidades em seus processos de fortalecimento da internacionalização”. O formulário deve ser preenchido até a próxima quinta-feira, dia 31 de agosto.

 

CT de Graduação

Já a Câmara Técnica de Graduação da Abruem está elaborando um texto sobre a importância das universidades estaduais e municipais brasileiras. O objetivo é que as 45 instituições afiliadas à Abruem tenham uma argumentação sólida, que as ajudem a compor as justificativas de projetos, que visam o aumento da aplicação de recursos federais nas IES estaduais e municipais.

Além disso, a própria Câmara está elaborando projetos nesse sentido que, segundo o presidente da CT, reitor Paulo Sérgio Wolff (Unioeste – Universidade Estadual do Oeste do Paraná), serão apresentados durante o 61 º Fórum Nacional de Reitores da Abruem. “Nossa solicitação é que as universidade afiliadas nos enviem materiais – tais como textos, artigos, capítulos ou livros – produzidos por elas, que demonstrem a importância local, regional e nacional da cada uma das nossas 45 instituições”.

A orientação é que as informações sejam enviadas para o e-mail prograd@unioeste.br, até o dia primeiro de outubro.

Abruem disponibiliza conteúdo das palestras do 60. Fórum

Apresentações foram cedidas pelos palestrantes

Primeiro dia

01 MEC Apresentação Pacto Universitário

02 2017_Apresentacao_SIG-Geral

Segundo dia

09h00 Universidades Estaduais e Municipais Sustentatibilidade e financiamento

10h30 RNP ABRUEM 010617

11h30 HaroldoReimer-RedeODS-Universidades-ABRUEM

14h00 4 Apresentação abruem

14h00 4 Apresentação UEPB

16h00 1 Palestra_Abruem_CGFrancilene

Carta de Campina Grande – Nota Pública da Abruem

Documento foi elaborado durante 60. Fórum Nacional dos Reitores da Abruem

A ABRUEM, Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais, é uma entidade que representa 45 Universidades, situadas em 22 estados da federação. Estas Instituições de Ensino Superior oferecem mais de 700 mil vagas públicas de graduação, o que corresponde a, aproximadamente, 40% das matrículas públicas do país. Oferecem, também, mais de 63 mil vagas em pós-graduação stricto sensu, representando mais de 30% da pós-graduação nacional e mais de 40% da produção científica brasileira. Estrategicamente abrangem todo o território nacional, com a destacada característica da interiorização e compromisso com o desenvolvimento regional sustentável. Trata-se de um verdadeiro patrimônio da sociedade construído com esforços coletivos ao longo do tempo e historicamente financiado pelo poder público.
Por tudo o que representam e em face de um conjunto de relatos recentes de experiências vividas que apontam para um verdadeiro desmonte deste patrimônio da sociedade, posto em prática na grande maioria dos estados da federação, a ABRUEM manifesta-se preocupada, sobremaneira, com a postura de governos estaduais em relação às universidades, quando por meio de atos e decretos normativos simplesmente descumprem e desrespeitam os princípios insculpidos na Constituição da República, no que se refere à autonomia das universidades.
São diversos atos e processos administrativos que destoam das boas práticas de governança pública, sem o respeito aos princípios normativos, legislando casuisticamente e interferindo diretamente na execução de políticas acadêmicas prioritárias, usurpando a capacidade de gestão autônoma da educação nas universidades e comprometendo a execução dos programas de ensino, pesquisa, inovação, extensão e promoção da cultura.
A despeito de todas as limitações impostas pelas crises econômica, financeira e política, a ABRUEM entende que os ataques frontais às universidades públicas estaduais e municipais não são resultantes das crises, porém, de decisões políticas de governo e tais práticas vêm impedindo a plena execução das capacidades institucionais e bloqueando as ações fundamentais que objetivam dar cumprimento às metas estabelecidas no Plano Nacional de Educação.
Neste sentido, o 60º Fórum de Reitores da ABRUEM vem a público manifestar sua contraposição e repelir estas ações, ressaltando a necessidade de respeito às nossas leis, em particular à Constituição Federal, no seu Artigo 207, em função do papel social que têm as Universidades na formação do povo brasileiro e da contribuição indispensável para desenvolvimento social e do processo civilizatório. Neste sentido, a Associação rejeita veementemente quaisquer ações que afrontem a autonomia Universitária e alerta a sociedade para os riscos de tais medidas.
Nossa entidade soma-se, desta forma, a todos os que acreditam na possibilidade de superação do momento difícil que atravessa a República, aponta alternativas nas ações cotidianas que desenvolve na relação com a comunidade e alimenta as melhores esperanças no Brasil para os brasileiros, resultado da ação consciente de homens e mulheres que ao longo da história dedicam suas vidas à edificação de uma nação onde imperem a democracia e a justiça social.

Campina Grande, 02 de junho de 2017.

Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais – ABRUEM

Presidente da Abruem e reitor anfitrião fazem balanço do 60. Fórum Nacional da Abruem

Temática central versou sobre “Governança pública: transparência e controle social na gestão do ensino superior”

O 60. Fórum Nacional de Reitores da Abruem (Associação Brasileira de Reitores das Universidades Estaduais e Municipais) foi oficialmente encerrado, no final da tarde da última sexta-feira (2), pelo presidente da Associação, reitor Aldo Nelson Bona (Unicentro), juntamente com a vice-presidente da Abruem, professora Adélia Carvalho (Uesc), e com o reitor da instituição anfitriã do evento, professor Rangel Junior (UEPB). Bona destacou a valiosa contribuição das discussões realizadas para as instituições aperfeiçoarem suas atividades e agradeceu ao reitor Rangel Junior pela dedicação da equipe da UEPB para o Fórum ter êxito, o que foi reforçado pela professora Adélia Carvalho.

O reitor Rangel Junior afirmou que a UEPB recebeu o evento com grande satisfação e destacou que os debates ocorridos no Fórum foram muito significativos para as instituições, especialmente pela troca de experiências que promoveram, auxiliando as universidades para cada vez mais prestarem um serviço de qualidade e desenvolverem uma gestão pública eficiente. Ele fez um agradecimento especial para os integrantes da equipe da UEPB que trabalharam na organização do Fórum, chamando um a um para frente da mesa oficial do evento, apresentando-os aos participantes e frisando que o empenho de todos, cada um em sua função, foi essencial para o sucesso do Fórum.

Encerramento do 6-. Fórum contou com avaliação do reitor anfitrião, Rangel Junior, do presidente da Abruem, Aldo Bona, e da vice-presidente da instituição, Adélia Pinheiro (Foto: Ascom UEPB)

Balanço
Diante da crise política e econômica que o Brasil atravessa, com cortes cada vez maiores nos investimentos destinados às instituições de ensino superior público, o presidente da Abruem avalia que as universidades têm feito um grande esforço para manter a qualidade do ensino. Aldo Bona disse que a crise afeta todas as instituições do país, inclusive as dos grandes centros, que também sofrem com cortes de verbas destinadas para programas e projetos nas diversas áreas do conhecimento.
Como saída para o enfrentamento desses problemas, as universidades, segundo ele, têm buscado fazer os ajustes necessários, mesmo correndo o risco de afetar a execução de atividades historicamente desenvolvidas pelas instituições. “As universidades não são uma ilha dentro desta realidade que vive o país. E, nesse sentido, nossas instituições estaduais e municipais têm buscado fazer os ajustes necessários para contribuir com o enfrentamento deste processo de crise”, destacou.
Com um cenário desfavorável, ele enfatizou que os reitores de todo o país debateram no Fórum da Abruem um conjunto de ações ligadas às necessidade e estratégias institucionais de transparência e controle social na gestão, com o intuito de assegurar a clareza dos recursos investidos no ensino superior em cada Estado, bem como na transparência de aplicação desses investimentos.
No que diz respeito aos ajustes orçamentários estabelecidos pelos Estados, o presidente da Abruem afirmou que a grande maioria das universidades públicas brasileiras tem sofrido com a escassez de recursos, o que tem exigido um esforço interno para se adequar a nova realidade orçamentária. “Essa é a realidade da grande maioria de nossas instituições. Então, as universidades têm sofrido um processo interno de cortes de muitas atividades e de muitas ações que vinham desenvolvendo historicamente, para se adequar ao novo cenário orçamentário”, afirmou.
Em relação a 60ª edição do Fórum da Abruem, Aldo Bona disse que o evento foi realizado em um período oportuno, coincidindo com um momento delicado pelo qual a UEPB atravessa por causa das restrições orçamentárias e o embate em relação a gestão da sua Lei da Autonomia. Por isso, Campina Grande, segundo ele, se tornou um terreno fértil para se debater problemas que são comuns a todas as universidades públicas brasileiras. Para o presidente da Associação, fazer com que esse debate ocorra em um centro onde se vive claramente o problema da relação Universidade versus Estado, no que diz respeito a retomada da autonomia e das restrições orçamentárias, coloca os reitores receptíveis a temática central do evento.
“Esse é o grande desafio. Como assegurar a qualidade em um cenário de tantas restrições? A gente vive um pouco uma contramão no Brasil em relação à prática de países desenvolvidos e de países em caminho de desenvolvimento”, observou. Ele citou como exemplos países como China e Coreia do Sul, que mesmo a despeito de crises ampliaram os investimentos no ensino superior e em ciência e tecnologia, por entenderem que o avanço nessas áreas poderia propiciar ao país a condição de sair da crise. “Diferentemente disso, no Brasil, o que tivemos foi uma redução no investimento em ciência e tecnologia nesse momento de crise, o que pode ter consequências muito danosas para o país no médio e longo prazo, no que diz respeito a sua efetiva soberania”, alertou Bona. Segundo ele, os cortes orçamentários nas universidades públicas têm sido cada vez maiores, principalmente nos investimentos feitos em programas de pesquisa e extensão, concentrando as atividades de ensino. “Ainda não sabemos quais os reflexos dessas medidas na questão da qualidade”, observou.

Tema oportuno
O anfitrião da 60ª edição do Fórum Nacional de Reitores da Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem), realizado em Campina Grande, o reitor da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), professor Rangel Junior disse que a escolha da temática tratada no evento foi propícia e fundamental para o momento de crise pelo qual o Brasil atravessa.
Rangel destacou que a escolha de Campina Grande para sediar o Fórum da Abruem foi uma forma de solidariedade de todos os reitores das universidades estaduais e municipais brasileiras com a UEPB, que vive um momento de luta pela retomada de sua Autonomia Financeira. Ele observou que a UEPB vive um momento de dificuldade, mas não no sentido da transparência pública ou do controle social. Pelo contrário, esses instrumentos, segundo ele, tem se tornado “armas” importantes da Universidade no sentido de combater aqueles que tentam o tempo inteiro encobrir os verdadeiros problemas que ela enfrenta.
Para o reitor, o grande desafio é fazer valer os princípios fundamentais da legislação que asseguram uma proteção a Universidade no exercício de sua autonomia, principalmente no que garante a autonomia financeira.

Universidades relatam experiências em transparência, orçamento e carga horária docente

Mesa 2 de experiências contou com participação da UEPB, UENP e UEG

Experiências em gestão da UEPB foram apresentadas pelo pró-reitor de Planejamento (Foto: Ascom UEPB)

As experiências exitosas que as universidades alcançam dentro de suas políticas de administração tiveram espaço garantido para troca de informações durante a 60ª edição do Fórum Nacional de Reitores da Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem). Temas como transparência, sistema financeiro, orçamento e carga horária docente foram os assuntos dos debates na tarde da sexta-feira (2), em Campina Grande.
O pró-reitor de Planejamento da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), professor Luciano Albino, foi o responsável por apresentar a atual postura de transparência que a Instituição tem colocado em prática nos últimos anos. Ele apontou a publicação de todos os atos administrativos, como se dá o contexto da execução orçamentária e financeira da UEPB e divulgação detalhada de salários de todos os servidores como ferramentas importantes para que a transparência seja contemplada em sua essência. “Para que todo esse trabalho seja bem feito nós contamos com a participação de todas as pró-reitorias, além da interação da comunidade acadêmica nas prestações de contas que são feitas de forma bimestral”, disse Luciano.

Ações da UEG foram relatadas pelo reitor da Universidade, professor Haroldo Reimer (Foto: Ascom UEPB)

O assunto carga horária também foi abordado pela reitora da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), professora Fátima Aparecida da Cruz, que em sua fala fez uma explanação sobre o Sistema de Distribuição de CRES da Instituição. Já o reitor da Universidade Estadual de Goiás, professor Haroldo Reimer, abordou o Sistema Financeiro da UEG, que, segundo explicou, possibilita averiguar informações importantes para a gestão da Instituição. “Hoje já temos alguns instrumentos como o sistema de administração chamado Finis, a partir do qual conseguimos saber, em tempo real, os custos de cada campus”, disse.

  • Ascom UEPB